quinta-feira, 26 de julho de 2012

Entrevista com Adilson Conti, presidente do Estrela do Norte Futebol Clube

Do inferno ao céu foi o que viveu o Estrela do Norte em seis meses. No início do ano, o presidente Adilson Conti, então eleito, encontrou o clube em energia, sem água, cheio de dívidas e suspenso do Campeonato Capixaba da Série B. Como se não bastasse tudo isso, o estádio Mário Monteiro, o Sumaré foi a leilão e teve parte da arquibancada arrematada pelo Hospital Infantil Francisco de Assis por R$ 954 mil.
O que parecia impossível foi realizado e hoje, o clube está de volta à elite do futebol capixaba, com todas as contas pagas e com dinheiro em caixa. “Cumprimos nosso dever e a nossa credibilidade. Agora temos que trabalhar para o próximo ano”, contou Adilson.
Em entrevista ao jornal Aqui Notícias, o presidente ressaltou as doações recebidas de empresários e médicos que ajudaram no pagamento dos jogadores, comissão técnica e funcionários do Estrela. Entre outros assuntos, ele disse que o planejamento para 2013 começa nas próximas semanas.

ENTREVISTA:
Aqui Notícias – No início do ano, quando você assumiu a presidência, o clube estava em uma situação complicada: suspenso da segunda divisão, sem energia, sem água, com a construção dos novos vestiários parada, dívidas, além da não prestação de contas da administração anterior. E hoje, como está o clube e essas pendências?
Adilson Conti – Hoje tenho a sensação de dever cumprido. Superamos obstáculos, a falta de recursos, a falta de confiança, a falta de credibilidade, que foram nosso grande desafio. Hoje, chego em qualquer loja da cidade e tenho credibilidade para comprar. Encerramos nossa participação na Série B do Campeonato Capixaba com nossas contas quitadas, e ainda pagamos uma premiação de R$ 10 mil para os jogadores pelo retorno à Série A do Capixabão. Hoje estou feliz por ter o reconhecimento da torcida. Porque, não é da noite para o dia que se consegue encher um estádio com cinco mil torcedores, ainda mais em jogo da segunda divisão. Isso é resultado de um trabalho certo, honesto e comprometido. Dividimos nossa conta de energia em 10 vezes e pagamos juntamente com a conta do mês. Acreditamos que já pagamos entre R$ 10 a R$ 12 mil. A água quitamos tudo antecipado e as obras do vestiário foram concluídas com o apoio de empresários e torcedores do Estrela. Hoje temos uma marca muito forte e uma credibilidade. Tenho certeza que 2013 será o ano do Estrela.

AN – O principal objetivo da diretoria foi alcançado, que era retornar à primeira divisão. O que acontece agora com esse elenco?
AC - Os jogadores de fora e com os contratos vencidos foram dispensados para fecharem com outros clubes. Os daqui de Cachoeiro também foram dispensados, mas abrimos o campo para que eles façam a preparação técnica e física aqui. Vamos fazer base para disputar amistosos até novembro e em dezembro vamos iniciar a pré-temporada. Vamos também reformular o futebol profissional, que passa a ter como diretor de futebol o Elias Ayres, o ‘Batata’. Já o Paulo Ferreira, estamos conversando para ele assumir o cargo de gestor do clube e ser um dos supervisores em 2013. Ele é muito competente para preparar contratos e verificação de súmulas, foi por isso que não tivemos problemas com aquela acusação de escalação irregular de jogador. Mas, isso ainda vai depender de conversas com ele. O clube não dispõe de receita para viabilizar a permanência dos atletas e comissão técnica.

AN – E como suprir essa receita?
AC - Pretendemos viabilizar poltronas para instalar naquela parte que foi interditada pelo Corpo de Bombeiros e vender cadeiras cativas, no valor de R$ 150,00 por mês. Com esse dinheiro teríamos como quitar as contas de água de luz. Além disso, os conselheiros do Estrela vão pagar uma mensalidade de R$ 30,00 que será revertido para pagar as contas do clube. Temos um planejamento de implantar um projeto ‘sócio contribuinte’ no valor de R$ 15,00 por mês também para ajudar com os gastos. Irei ainda nesta semana conversar com o presidente da CDL de Cachoeiro para que possamos fazer uma parceria com uma loja na cidade para que sejam vendidos nossos produtos (mochilas, bolsas, agasalhos, camisas, bonés, canecas, etc.). Se não conseguirmos a parceria, vamos tentar abrir uma lojinha aqui mesmo no Sumaré.

AN – Como o clube conseguiu pagar em dia os jogadores, comissão técnica e funcionários?
AC - O pagamento dos 28 jogadores, seis integrantes da comissão técnica e três funcionários foram pagos com doações de médicos e empresários de nossa cidade. Além disso, tivemos lucro no bar. Durante o campeonato arrecadamos no bar cerca de R$ 30 mil. Somente no jogo da final, o bar vendeu R$ 12 mil. Vendemos mais de 1.500 camisas oficiais, além da renda dos jogos. Hoje, temos R$ 10 mil em caixa para trabalharmos o restante do ano.

AN – Como e quando será feito o planejamento de 2013?
AC - Na próxima semana já começaremos a contactar jogadores e a apresentação do elenco será no dia 10 de dezembro, para iniciarem a pré-temporada, que poderá ser realizada em Marataízes, Itapemirim, Mimoso do Sul ou Vargem Alta, isso ainda vai depender da questão financeira. Acredito que como o prefeito não pode investir no time profissional, que invista nas categorias de base, que em curto espaço de tempo vamos descobrir valores em nossa região, como nesse ano que o Estrela contou com vários atletas daqui. Para o próximo ano, espero que 30 a 40% dos jogadores sejam de fora do estado. Os atletas que atuam aqui estão viciados, eles não vestem camisa por amor, não têm comprometimento e aqui a cobrança é muita. Eu sempre digo que o Estrela está para Espírito Santo como o Flamengo está para o Brasil. A Federação de Futebol do Espírito Santo (FES) tinha que valorizar isso.

AN – Porque não participar da Copa Espírito Santo deste ano?
AC - Justamente por não deixar que todo o trabalho e a credibilidade caíssem por água abaixo. Não tínhamos a certeza da receita e deixar depois que os jogadores saíssem falando que o Estrela não pagou não ia ser bom. Queremos honrar com todos os nossos compromissos. Lamentei muito ficar de fora. Pensei várias vezes em ligar para a FES e confirmar, mas pela falta de um patrocínio grande não tinha como.

AN – Existe uma empresa que poderia ser o patrocinador máster?
AC - Vejo em Cachoeiro o Sicoob como um patrocínio máster, pois abrange várias empresas, mas essa ainda não é nossa realidade. Vamos propor a 50 empresários de médio e pequeno porte a doação mensal de R$ 2 mil por mês de dezembro de 2012 a dezembro de 2013. Em troca cederíamos placas no gramado, na camisa de treino, no material de viagem, enfim, teria muita visibilidade na primeira divisão. As empresas têm condições, não ajudam porque não querem.

AN – Qual foi o maior prêmio para o Estrela em 2012?
AC – Primeiro foi voltar à primeira divisão. Há um ano tudo parecia perdido e hoje isso foi alcançado. Foi emocionante ver o estádio lotado com cinco mil pessoas e é uma grande satisfação ver o torcedor usando a camisa do Estrela. Fico feliz por ser o responsável pelo resgate desse amor do torcedor pelo clube.

AN – O que ainda falta para o futebol em nosso município, que já chegou a ter três clubes na disputa das séries A e B do Campeonato Capixaba: Estrela do Norte, Cachoeiro e Estrela de Cachoeiro?
AC – Falta o empresariado acreditar e investir no esporte e que os dirigentes estejam comprometidos com o esporte e não queiram levar vantagens do clube. Acredito também que a municipalidade deveria investir na melhoria dos estádios.

AN – Qual o balanço dessa sua gestão nesses seis meses do ano?
AC - É um balanço inteiramente positivo. Estou feliz por ter recuperado a credibilidade e o orgulho de cada torcedor de ser estrelense, em vestir a camisa do clube. O que eu tenho a dizer é agradecer a todos, e principalmente ao prefeito Carlos Casteglione, que foi o primeiro a acreditar no meu projeto e pessoalmente se empenhou para que os empresários se solidarizassem com o Estrela. Obrigado todos aqueles que acreditaram e acreditam no nosso Estrela do Norte.


FONTE:

Nenhum comentário:

Postar um comentário